Material apreendido com José Nelson Jacinto Costa (detalhe)
Anna Luiza Paixão
Pernambucano da cidade de Brejão e radicado no Rio de Janeiro, José Nelson Jacinto Costa, 35 anos, foi preso na madrugada de ontem, em Campos, com 33 notas falsas de R$ 100 e documentos, que também seriam falsos, além de celulares e cheques. A apreensão aconteceu no posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), no km 28, da BR-101 (Campos-Vitória), em Morro do Coco. O material e o suspeito foram encaminhados à Delegacia da Polícia Federal (PF), que investiga o caso. O volume de notas falsas e a “qualidade” da falsificação chamaram a atenção do delegado titular da PF, em Campos, Paulo Cassiano Júnior, que alerta que esta é a terceira apreensão, em 15 dias, de dinheiro falso no município.
José Nelson dirigia sem habilitação um Astra, interceptado, pouco depois de meia-noite, durante uma blitz de rotina. No carro havia outro homem, que disse ter pegado carona em Rio das Ostras. Com ele nada foi encontrado, sendo liberado pela PF. No veículo foi localizada uma caixa Sedex, onde estavam 15 celulares com chips; outros seis avulsos; os R$3,3 mil falsos; seis certidões de nascimento e uma carteira de trabalho em nome Wellian Welison de Carvalho; dois CPFs em nome de Guilherme Ribeiro Serpa; um CRLV falso; e seis cheques, sendo cinco da Praça de Campos e outro de Rio das Ostras, totalizando R$ 9.228 mil e ainda a quantia de R$ 803, em notas verdadeiras
De acordo com a polícia, o suspeito, que já tem passagens pela polícia pernambucana por crimes de homicídio no município de Garanhuns, porte ilegal de arma em Caruaru, além de roubo, disse ser morador do Morro do Alemão, no Rio de Janeiro, e que atuaria no ramo da construção civil, na Baixada Litorânea. Ainda segundo a polícia, ele explicou a origem de um cheque, mas não justificou a dos demais. Quanto aos celulares, Jacinto Costa alegou que presentearia familiares.
José Nelson foi autuado em flagrante nos artigos 304 e 289, ambos do Código Penal, que tratam, respectivamente, dos crimes de uso de documento falso e falsificação de moeda. Segundo o delegado, foi instaurado um inquérito policial, através do qual, os emitentes dos cheques serão chamados a depor a fim de explicar em que circunstâncias foram emitidos. Todos os documentos vão passar por perícia.
PF alerta para notas falsas circulando na região
De acordo com Paulo Cassiano Júnior, a falsificação das notas não é grosseira, podendo enganar “algum sabedor mediano”. O delegado pede que se alguém souber informações sobre a falsificação, que denuncia à PF, através do 2726-8700. “Não sabemos se é ele o autor das falsificações, ou um intermediário. As notas em meio a outras verdadeiras enganam”, alerta Cassiano, que informou que essa é a terceira apreensão em 15 dias em Campos. Nas outras duas foram apreendidas uma nota de R$ 50 e outra de R$ 20, levadas por vítimas à delegacia.
Segundo o Banco Central (BC), o órgão não troca notas falsas e orienta que quem receber uma deve procurar a PF. Caso a cédula suspeita tenha sido recebida em um caixa eletrônico, o fato deverá ser comunicado ao banco em que o dinheiro foi sacado e, se necessário, fazer o registro na delegacia. Ainda segundo o BC, nem todas as notas apreendidas chegam ao banco, o que pode elevar as estatísticas do órgão. O maior alvo de falsificação são as notas de R$ 50.